2020: o que esperar para o mercado de relacionamento com o consumidor

Sobre as mudanças que veremos daqui para frente na área de relacionamento com o consumidor, posso garantir que as expectativas são altas para os avanços na experiência do cliente. Podemos mencionar alguns dos avanços em modelos de negócios que estão colocando o cliente em primeiro lugar atualmente:

• Omnichannel: já é uma realidade e os desafios das empresas não estão restritos somente na implementação. No entanto, sem desmerecer a complexidade tecnológica e as informações acessíveis diante dos casos de sucesso existentes, há necessidade de mudar o mindset da cultura das empresas para a adoção dessa estratégia, em prol de uma melhor experiência do cliente.

• Marketplace: à primeira vista, as empresas estão dando importância para o marketplace apenas pelos benefícios em oferecer uma diversidade de produtos. Fica a cargo das lojas plugadas no Marketplace em utilizar este canal para vender e entregar seus produtos para o consumidor. Porém, ainda há um vasto campo a ser explorado e, nem sempre, o relacionamento com o consumidor tem a atenção que merece.

• Drop shipping: sabemos como é custoso manter produtos em estoque e realizar o transporte até a casa do consumidor. Mas, imagina o seu fornecedor entregar, direto do próprio estoque, o produto vendido em seu site com a sua marca impressa? Essa nova técnica de gestão de cadeia logística transforma a maneira de rastrear e atender seu cliente, além de dar escala ao negócio.

• Collab: o nome já diz muito sobre a importância da colaboração e da parceria entre marcas para alavancar as vendas. Parcerias como as da Nike e Apple, Adidas e Prada, são exemplos de collabs de sucesso que atingiram novos públicos e ampliaram o engajamento dos consumidores. As pessoas passaram a comentar mais sobre as marcas e, consequentemente, as vendas aumentaram.

Ao longo desta jornada, as empresas coletaram aprendizados e tiveram mais compreensão do público de interesse. Em contrapartida, foram ações espontâneas dos clientes que, de forma despretensiosa, ganharam escala nas redes sociais e passaram mudar o cenário delas no mercado. As redes sociais e os dispositivos mobiles, ao conectarem cada vez mais os consumidores, impulsionaram a participação deles em assuntos diretamente relacionados às marcas. Já os chatbots chegaram como uma solução eficaz para as empresas ganharem escala e automatizar os processos em prol de um atendimento mais eficaz.

Então, com todas as mudanças que tivemos nos últimos 10 anos, o que podemos esperamos na próxima “década”?

• Internet das Coisas no atendimento das empresas: cada vez mais os dispositivos estarão conectados, coletando informações e monitorando qualquer problema que possa ocorrer. Diante disso, o atendimento ativo poderá atuar para resolver o imprevisto ou identificar a necessidade do cliente.

• Empresas entendendo cada vez mais os consumidores e suas necessidades: como consumidores buscamos algo que seja personalizado, conforme nossos gostos e necessidades. Por isso, as empresas virão cada vez mais com a “faca e o queijo nas mãos˜ e entendendo o que realmente precisamos.

• Análise das conexões emocionais dos clientes: com o poder computacional de captação de voz e texto, é cada vez mais possível às máquinas a interpretação do comportamento dos clientes, com base na leitura do histórico e hábitos. Diante disso, antes de qualquer conexão humana, o atendente estará munido dessas informações e capacitado a lidar com o perfil de cada indivíduo.

• Capacitação de líderes para a transformação digital: é eminente que nas empresas já se fala desta transformação e das dificuldades em iniciar os primeiros passos. Por outro lado, existe a necessidade de colocar todos os colaboradores na mesma página e capacitar os líderes para serem os promotores deste movimento.

• Satisfação do cliente voltada primeiro para a experiência do colaborador: não é novidade que as empresas promovem ações para superar as expectativas dos consumidores. Já existe movimento que altera a rota, e primeiro alcança o funcionário para depois atingir os clientes, e assim buscar alcançar melhores resultados para as empresas.

• Linguagem natural no relacionamento entre máquina e homem: apesar da boa parte dos desafios desta indústria estar na integração destes dispositivos e torná-los acessíveis para as pessoas, é indiscutível que a busca por conversas mais naturais entre máquinas e humanos é o maior impasse. O atendimento feito por um robô precisa ser quase imperceptível pelo consumidor.

• Inovação para trabalhar com as quatro gerações em harmonia: promover a diversidade e a inclusão é a decisão mais inteligente para os negócios. Diante das expectativas que precisam ser atendidas, do Baby Boomers até a Geração Z, o aprendizado precisa rotacionar e permear toda a empresa.

Acredito que a maior transformação que passaremos será na área de pessoas, diante de todas estas mudanças e da velocidade do mercado. É só o começo!
Agora é arregaçar as mangas e inovar, independente do posto que ocupe em sua equipe.

Por Fernando Shine
Fonte Administradores.com

Compartilhar este Post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Veja mais conteúdos

Com muito ❤️️ por Gestary

⚙️